Cuidados com a chupeta - Dra Ana Escobar
07/02/2019 15:06h

Cuidados com a chupeta

No Brasil, a chupeta não é proibida mas é contraindicada pelo Ministério da Saúde. Os bebês que usam chupeta mamam menos e isto pode interferir no ganho de peso e portanto no desenvolvimento da criança. Por este mesmo motivo, a Organização Mundial de Saúde (OMS) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) também não aconselham o uso da chupeta.

Para que a chupeta não interfira no processo de amamentação, a Academia Americana de Pediatria recomenda que ela só seja oferecida a partir de três semanas de vida.

O ato de sugar acalma os bebês. Ainda no útero eles já chupam o dedo. Isto é importante pois garante que ao nascer, ele consiga se alimentar.

Nem toda vez que o bebê chora é fome. O aconchego e o alívio que ele precisa pode ser obtido com a chupeta ou com mordedores.

Alguns bebês que tem maior necessidade de sucção podem começar a chupar o dedo. O que o dito popular diz é verdade: “a chupeta dá para tirar, o dedo não.” Neste caso, pode ser interessante que os pais usem a chupeta para depois ter maior controle de horários de uso e do momento de retirá-la. A vantagem dos mordedores é que eles não causam este tipo de dependência.

Hoje há uma enorme variedade de chupetas ortodônticas que se adaptam melhor à pequena cavidade bucal dos bebês e não deformam a arcada dentária.

Há estudos que indicam menor incidência por morte súbita entre os bebês que usavam chupeta. Mas por outro lado, a incidência de infecções orais (como sapinho, otites e amigdalites) é maior em crianças que usam a chupeta. Por este motivo é muito importante esteriliza-la após o uso ou quando cai no chão.

Saber os prós e contras ajuda pais e pediatras a tomarem a melhor decisão.