/

Todas as crianças precisam fazer teste auditivo?

O primeiro teste auditivo que normalmente as crianças fazem é o teste da orelhinha, que deve ser feito ainda na Maternidade, nos primeiros dias de vida. Este teste é uma triagem auditiva. Isso significa que ele pode identificar e apontar quais são os bebês que precisam de uma avaliação auditiva mais sofisticada, caso o teste indique algum problema.

Isso é muito importante logo no começo da vida, pois quanto mais precocemente sabemos que um bebê tem deficiência auditiva, mais rapidamente podemos iniciar o tratamento correto.

Se o bebê passou no teste da orelhinha, tudo certo. Mas é importante ficar atento aos sinais de que os pequenos podem não estar escutando bem.

Veja, por exemplo, se os bebês levam um “susto” quando algum barulho mais forte acontece. Conforme os bebês vão crescendo, há várias formas de avaliar se estão escutando bem. Quando os chamamos, normalmente os bebês de 9 meses já se viram para o lado do som. Crianças maiores devem ficar confortáveis ao ouvir a televisão, por exemplo, com um volume não muito alto. Outra dica: coloque seu filho para falar no telefone com alguém. Veja se ele ouve bem quando você encosta o aparelho tanto no ouvido direito como no esquerdo.

Escutar é fundamental para aprender a falar. Aprendemos a falar escutando. Por isso, um dos sinais de alerta mais sensíveis para deficiência auditiva é perceber que a criança está demorando para falar. Entre 1 e 2 anos as crianças começam a esboçar sílabas e algumas palavras curtas. A partir de 2 anos a fala vai se construindo mais solta.

Algumas crianças apresentam otites de repetição. Isso faz com que um pouco de secreção se acumule no ouvido médio, dificultando a audição.

Por isso, se você identificou seu filho e algumas destas situações acima descritas, vale conversar com o pediatra que pode, a qualquer momento, solicitar novos testes de audição.

Ouvir bem é um dos maiores prazeres da vida. Vamos cuidar da audição dos nossos pequenos!

Publicado por Dra. Ana Escobar
Dra. Ana Escobar é médica pediatra formada pela FMUSP (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo), pela qual também obteve Doutorado e Livre Docência no Departamento de Pediatria.