31/03/2019 10:58h

Se a dor é um sinal de alerta, posso usar analgésicos ?

Não importa a causa. Quando uma parte do corpo dói a gente quer logo que passe e vá embora. E a primeira reação, claro, é tomar um remédio, um analgésico, algo que bloqueie imediatamente aquela sensação desconfortável.

Mas a dor é sempre um sinal de alerta. Ela é um aviso para que a gente saiba que nosso equilíbrio físico ou emocional foi rompido. A dor pode ser aguda ou seja, acontece e passa ou crônica que é quando demora três meses ou mais tempo para passar.

Ela começa com um estímulo nocivo. Cortamos o dedo, por exemplo, imediatamente nossas fibras nervosas comunicam isso ao cérebro, que gera respostas físicas – para conter o sangramento – e uma resposta emocional: ficamos aflitos e preocupados, o que nos motiva a cuidar do ferimento. Como a dor tem um componente emocional e cultural muito intenso, algumas pessoas reclamam e se incomodam mais do que outras.

Quando conseguimos entender e localizar o motivo da dor – como queimadura ou dor de dente – fica mais fácil suportá-la porque os mecanismos emocionais ajudam bastante. Porém , quando temos uma dor mais subjetiva e pouco específica, como dor de cabeça, dor nas costas ou uma cólica abdominal, fica muito mais difícil.

É importante entender que a dor é sempre um sinal de que algo não está bem. Podemos e devemos tomar analgésicos, pois ninguém merece sentir dor. Mas lembre de duas coisas muito importantes:

1. Tomar um analgésico elimina a dor, mas não elimina a CAUSA da dor.
2. Procure o médico pois ele vai prescrever o medicamento levando em conta o que está causando a dor NAQUELA pessoa.

Nunca se automedique. Tomar o remédio errado pode ser uma solução no momento mas um problema muito maior depois. Viva com saúde!

Dra Ana Escobar

Dra Ana Escobar

Dra. Ana Escobar é médica pediatra formada pela FMUSP (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo), pela qual também obteve Doutorado e Livre Docência no Departamento de Pediatria. Atualmente, é coordenadora da Disciplina de Pediatria Preventiva e Social desse mesmo departamento. Ainda na área educacional, é responsável pelas disciplinas de graduação e pós graduação sensu lato e sensu stricto da Faculdade de Medicina da USP.
Dra Ana Escobar