15/04/2019 12:43h

Por que a fritura torna um alimento menos saudável?

Batata cozida ou batata frita? Ovo cozido ou ovo frito? Bife grelhado ou à milanesa?

Muitas pessoas preferem os alimentos fritos, não é mesmo? Asseguram que são muito mais saborosos. Outros, no entanto,  os evitam. Porque sabem que fazem mal à saúde. Afinal de contas, porque  a fritura torna o mesmo alimento menos saudável? Vamos entender.

A fritura consiste em mergulhar um alimento no óleo fervendo para cozinhá-lo. Os óleos, no entanto, necessitam de uma temperatura MUITO mais alta que a água para entrar em ebulição. São muito mais quentes, e exatamente por isso cozinham os alimentos muito mais rapidamente. E aí está um dos problemas.

Os óleos, quando aquecidos e mantidos em altas temperaturas, liberam substâncias que são tóxicas para o organismo. Entre estas, há as gorduras que,  saturadas pelo calor intenso, transformam-se nas grandes vilãs do nosso sistema cardiovascular. São as que entopem nossos vasos, levando a infartos, derrames e outras situações de risco como, por exemplo, a obesidade. Claro que quando ingerimos o alimento frito, estamos também ingerindo estas substâncias tóxicas.

Importante saber que os óleos também tem uma validade específica. Isso significa que não devem ser reutilizados, uma vez que a cada procedimento de ebulição, mais substâncias tóxicas são produzidas. Por isso muito cuidado por aí  com óleos  que sabidamente são reutilizados várias vezes. O pastel ou o bolinho podem estar deliciosos, mas o óleo consumido pode ser uma verdadeira bomba relógio no seu organismo.

Coma gostoso e com equilíbrio, respeitando sempre sua saúde. Senão, seu organismo é que estará “frito”!

Dra Ana Escobar

Dra Ana Escobar

Dra. Ana Escobar é médica pediatra formada pela FMUSP (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo), pela qual também obteve Doutorado e Livre Docência no Departamento de Pediatria. Atualmente, é coordenadora da Disciplina de Pediatria Preventiva e Social desse mesmo departamento. Ainda na área educacional, é responsável pelas disciplinas de graduação e pós graduação sensu lato e sensu stricto da Faculdade de Medicina da USP.
Dra Ana Escobar