08/03/2019 10:48h

Colar de âmbar funciona?

Quem já viu um bebê andando por aí com um colar ou com uma pulseirinha com contas de âmbar?

 Pois é. Há muitos bebês com estes colares. Os pais os colocam com o objetivo de diminuir o desconforto do nascimento dos dentinhos nos bebês.

Os dois primeiros dentinhos de baixo começam a despontar por volta dos 6 meses de idade. Muitas crianças, nesta fase, apresentam sinais físicos de muito desconforto, irritabilidade, febre (não alta, no geral) e/ou amolecimento das fezes. Alguns bebês não dormem direito; o que acaba atrapalhando o sono da família.

Para amenizar esse desconforto muitos pais optaram por colocar um colar de âmbar ao redor do pescoço do bebê. Tem que ser âmbar legítimo, proveniente da região do Báltico; senão não funciona. A ideia que embasa tal procedimento é a de que o âmbar verdadeiro possui uma grande quantidade de  ácido succínico que contem propriedades analgésicas e anti-inflamatórias, que seriam liberadas quando o âmbar, em contato com a pele do bebê,  fica aquecido.

 A grande dúvida é: funcionam?

Ainda não há evidências científicas que comprovem que os colares de âmbar de fato diminuem o desconforto oral dos bebês nesta fase. A Associação Brasileira de Odontopediatria posicionou-se contra o uso do colar de âmbar por não haver literatura científica que comprove seus benefícios.

Mas não é só isso: o colar de âmbar pode ser muito perigoso e oferecer riscos para os pequenos. Para se ter uma ideia e ajudar a decisão de todos, o FDA ( Food and Drug Administration) – agência regulatória americana-  divulgou uma nota contraindicando firmemente os colares de âmbar – e de outros produtos como madeira ou contas-  depois do relato de crianças que faleceram em decorrência do engasgo com as bolinhas do âmbar e em decorrência de um relato asfixia pelo colar enquanto um bebê dormia. 

Por isso, muito cuidado com bebês com estes tipos de colares. Lembrem-se sempre: a segurança de seus filhos é um ponto importante para uma vida sem sustos.