Chegada do bebê: Para a mãe tudo é novo! - Dra. Ana Escobar
21/11/2018 18:13h

Para o bebê, tudo é novo! Para a mãe também! E para a mãe moderna, mais novo ainda!

Há 50 anos atrás, a vida das mulheres não mudava tanto com a chegada dos filhos. Elas já trabalhavam quase que exclusivamente em casa, ajudavam suas mães, tias e primas a cuidarem dos filhos delas e quando os próprios filhos chegavam, elas já sabiam o que fazer. Hoje, todo esse aprendizado está concentrado nas semanas que se seguem à sua chegada em casa, vinda da maternidade com seu “pacotinho”. Para você, tudo é novo e intenso. Veja quanta coisa nova:

– Aprender a amamentar.
– Acordar mais de uma vez de madrugada, por meses seguidos. Nada fácil!
– Entender os desejos e demandas do bebê: você ainda não conhece o bebê. Conhecê-lo leva semanas. Para a maioria das mulheres, o amor não é instantâneo. Ele vai sendo construído com os cuidados diários. Fique tranquila quanto a isso.
– Aprender a ser mãe: se você nunca foi mãe, você ainda não sabe. Ninguém nasce sabendo. Mas você vai aprender. Com alguém mais experiente te ajudando, ou sozinha, mas sempre, em todas as circunstâncias, errando e acertando. O tal do instinto materno, hoje se sabe, é culturalmente construído: se você viu de perto alguém cuidando , você poderá achar natural cuidar. Se você nunca viu, pode não achar nada fácil e natural. E vai aprender tudo agora. Tudo bem!
– Viver uma nova rotina: ter um recém-nascido requer que você fique, quase exclusivamente, dentro de casa. Para quem estava acostumada a sair todos os dias e ir onde queria, isso pode ser estressante. Uma sensação de “onde está a minha vida?” pode se apoderar de você em alguns momentos. Além disso, cuidar de um bebê é um trabalho extenuante, repetitivo e até monótono, para os nossos padrões agitados. É normal que você sinta isso.

Muita coisa nova para aprender, não é mesmo?

Tudo isso, junto com a queda hormonal abrupta, são os ingredientes que contribuem para que 80% das mulheres passem pelo que chamamos de “Blues Puerperal”, isto é, um misto de tristeza e irritação que flutua durante o dia, de modo que de manhã você pode estar se sentindo a pior mãe do mundo e, à tarde, uma supermãe. Isso é normal até 15 a 30 dias depois do parto.

Fique tranquila e não se cobre tanto. Essa é a melhor dica para você!