/

Guia de Primeiros Socorros para Crianças

Esteja preparado para eventuais emergências com o guia de primeiros socorros para crianças da Dra. Ana Escobar.

 

Ser testemunha ocular de um acidente com crianças é desesperador. Quando se trata de seu filho, é muito mais estressante ainda. Por isso, é de fundamental importância estarmos preparados para estes momentos. A informação é nossa melhor aliada. Saiba o que fazer – e o que não fazer- nos acidentes, emergências e situações estressantes mais comuns da infância.

Veja abaixo o passo a passo de primeiros socorros para crianças para diversas situações:

 

PRIMEIROS SOCORROS PARA QUEIMADURAS

Média ou Grande Extensão

  1. Se houver muita dor, coloque a área queimada debaixo da água fria  corrente. Ajuda bastante a aliviar o desconforto da dor;
  2. Tire a roupa queimada ou que estiver atrapalhando;
  3. Cubra o local queimado com um pano limpo. Pode ser uma toalha, por exemplo;
  4. NÃO coloque quaisquer produtos como manteiga, pomadas ou clara de ovo. Não ponha nada. Apenas cubra o local, protegendo-o do contato com o ar, que pode piorar a dor;
  5. Se houver bolhas, não as  estoure; 
  6. Leve para o PS.

 

Pequena Extensão

  1. Coloque na água fria corrente para aliviar a dor;
  2. Não use produtos caseiros nem pomadas sem a orientação médica;
  3. Se houver bolhas, não as estoure;
  4. Avise seu pediatra e aguarde as  orientações.

 

ENGASGO

Bebês e Crianças Pequenas 

Bebês pequenos podem se engasgar com alimentos ou líquidos. Quando começam a engatinhar, podem colocar objetos pequenos na boca e engasgar com eles.

Não obstante a causa, a conduta para desengasgar crianças que estão sufocadas é a mesma:

  1. Sente-se em uma cadeira;
  2. Coloque a criança nas suas pernas, segurando-a com seu antebraço embaixo do corpo. A criança  deve estar de barriga para baixo, de costas para cima, com a cabeça próxima do seu joelho e mais baixa que o bumbum;
  3. Com seu braço livre dê 5 tapas bem “firmes” com a palma de sua mão, na região superior das costas, em cima da coluna, entre os dois ossos chamados omoplatas, que são os que normalmente chamamos de “asinhas”;
  4. Essa manobra deve fazer o alimento ou objeto que está obstruindo a via respiratória sair;
  5. Se o objeto não sair, repita o processo;
  6. Se, no entanto, a criança demorar para voltar a respirar, vire-a de barriga para cima e faça compressões no meio do tórax, em cima do osso esterno,  com dois dedos: o indicador e o do meio, na região que fica entre os dois mamilos;
  7. Se a criança  começar a respirar, suspenda as manobras e deixe-a deitada de barriga para cima. Se  não respirar, mantenha as compressões até o socorro chegar.

 

Crianças Maiores 

Em crianças maiores ou acima de 7 anos podemos fazer o que chamamos de Manobra de Heimlich, que deve ser executada da seguinte maneira:

 

Crianças que estão conscientes: 

  1. Fique atrás da criança, que deve estar em pé,  e dê-lhe um abraço, envolvendo com os seus braços o corpo dela na altura do abdômen, exatamente embaixo das costelas;
  2. Com a suas mãos unidas em concha, dê um apertão bem vigoroso para trás, na sua direção, comprimindo a barriga da criança num movimento único para trás e para cima;
  3. Faça isso repetidamente até sentir que o corpo estranho saiu e que a criança está respirando bem.

 

Crianças que perderam a consciência:

  1. Coloque a criança deitada de barriga para cima;
  2. Ajoelhe-se em cima e de frente para a criança, com uma perna de cada lado do corpo dela;
  3. Com as mãos unidas, uma em cima da outra, faça compressões no abdômen da criança, no meio da barriga, próximo ao final das costelas, em um movimento para baixo e para cima. Repita quantas vezes precisar até a criança desengasgar ou até o socorro chegar.

A ideia básica da Manobra de Heimlich é utilizar um pouco de ar que sempre fica guardado nos pulmões para empurrar o corpo estranho para fora. Quando fazemos a compressão no abdômen, estamos tentando fazer com que esta quantidade de ar saia abruptamente movendo o corpo que está obstruindo as vias aéreas, permitindo a retomada da respiração.

 

AFOGAMENTO

Prestar os primeiros socorros em crianças independe do local onde ocorreu o afogamento. Crianças pequenas podem se afogar na piscina, no mar ou até mesmo com um balde de água. Por isso, todo cuidado é pouco.

Veja abaixo o passo a passo de primeiros socorros para crianças em casos de afogamentos:

 

Crianças que estão respirando e conscientes:

  1. Coloque-as deitadas de lado, para que não se engasguem com vômitos que podem ocorrer;
  2. Aguarde o socorro ou leve-as a um PS para avaliação.

 

Crianças que não estão respirando ou inconscientes:

  1. Coloque a criança deitada de barriga para cima;
  2. Ajoelhe-se ao lado dela;
  3. Com as mãos em concha, faça compressões no tórax, em cima do osso esterno, que fica na no meio dos peitos, na altura dos mamilos;
  4. Mantenha as compressões até que a criança volte a respirar espontaneamente, ou até o socorro chegar;
  5. Se ficar cansado, reveze com alguém. Mas não parem.

 

QUEDAS E TRAUMAS NA CABEÇA

Crianças pequenas caem com muita frequência. Principalmente quando estão aprendendo a andar. Crianças pequenas tem uma boa flexibilidade e raramente sofrem fraturas. Mas é sempre bom ficar atento.

Nas quedas, podem ou não bater a cabeça. Quando isso acontece, o desespero dos pais aumenta bastante. Vamos entender quais atitudes tomar e quando devemos levar as crianças para uma avaliação no PS.

Quedas sem traumas na cabeça

  1. Depois do choro, veja se a criança está conseguindo andar e movimentar bem os membros;
  2. Veja se sente dor à mobilização de alguma região;
  3. Procure ver se há locais mais inchados;
  4. Se houver sinais de fratura, membro desalinhado, dor ou desconforto à movimentação, procure não movimentar o local  e leve-a para o PS.

 

TRAUMAS NA CABEÇA

  1. Observe os seguintes sinais: veja se a criança vomita ou fica sonolenta após o trauma. Se isto acontecer, vá ao PS. Mantenha a observação destes sinais por um período ideal de 48 horas;
  2. Se não vomitar nem ficar sonolenta, continuar disposta, comendo normalmente e sem quaisquer outras alterações,  pode ser observada em casa. Idealmente por 48 horas;
  3. Fez um galo na cabeça: coloque uma compressa fria e observe os mesmo sinais acima descritos.

 

Meu filho caiu e bateu a cabeça antes de dormir. Posso deixá-lo dormir ou tenho que mantê-lo acordado?

Muitas crianças caem exatamente quando estão com sono, na hora de irem para a cama. Para desespero dos pais, que não sabem o que fazer.

Vamos entender. Quando as crianças batem a cabeça, devemos observar o estado de consciência delas para averiguar se houve ou não ruptura de algum vaso sanguíneo dentro da cabeça, que possa estar causando uma hemorragia interna. Se isso de fato aconteceu, os sintomas clínicos são sonolência e vômitos.

Porém , se a criança caiu e está na hora de dormir, certamente estará sonolenta. De nada adianta deixá-la acordada. Só a tornará mais irritada ainda e os pais não vão conseguir perceber se há ou não comprometimento da consciência. Por isso, o mais sensato é deixá-las dormir.

Mas há que observá-las. Da seguinte maneira: a cada 3 horas, mais ou menos, é importante que os pais acordem e vejam se está tudo bem. Se está dormindo tranquila, respirando calmamente e sem vômitos. Chamem a criança, vejam se ela demonstra que está respondendo ao chamado, resmungando e deixando claro que sua consciência está intacta. Se assim for, deixem ela dormir e continuem observando no dia seguinte.

Caso contrário, isto é, se a criança vomitar ou demonstrar que está excessivamente sonolenta e difícil para acordar, é mais prudente levá-la ao PS.

 

FERIMENTOS

  1. Limpe bem o local com água e sabão, para evitar infecções;
  2. Se houver sangramento importante, cubra o ferimento com um pano seco e limpo, fazendo uma compressão suficientemente eficaz para estancar o sangramento. Mantenha a compressão o tempo que precisar. Solte apenas quando o sangramento diminuir;
  3. Se o ferimento for muito extenso, muito profundo ou sangrar demais convém levar ao PS para avaliar a possibilidade de uma sutura;
  4. Se o ferimento não foi extenso, converse com seu pediatra para orientar o melhor tipo de curativo no local ferido.  

 

INGESTÃO DE PLANTAS, PRODUTOS TÓXICOS OU MEDICAMENTOS INDEVIDOS

  1. NÃO provoque vômitos. Alguns produtos são tóxicos e corrosivos e se não lesaram a mucosa digestiva quando foram ingeridos, podem lesar na hora de vomitar. Além disso, sempre há o risco de aspiração do vômito, o que dificulta mais ainda a situação;
  2. Não tome leite, água, chás ou quaisquer outros produtos;
  3. Vá o PS e sempre que possível leve junto a embalagem do produto ingerido, a planta ou a caixa do medicamento, para que o socorrista possa identificar a origem da intoxicação e indicar o tratamento correto;
  4. Se a criança entrou em contato com produtos tóxicos que se disseminam no ambiente, retire todas as suas roupas, que podem estar contaminadas.

 

CHOQUE ELÉTRICO

  1. Retire a criança da fonte geradora do choque. Evite encostar na criança se ela ainda estiver recebendo a descarga elétrica. Utilize um cabo de vassoura ou um tapete de borracha, por exemplo;
  2. Sempre que possível, desligue a chave geral;
  3. Avalie o estado de consciência da criança. Se estiver respirando e consciente, aguarde. Se estiver inconsciente, verifique a respiração;
  4. Se a criança não estiver respirando, inicie as manobras de reanimação, fazendo as compressões cardíacas, conforme descrito acima;
  5. Se a criança estiver consciente e respirando, procure lesões na pele e se houver ferimentos que lembrem queimaduras siga os procedimentos acima descritos e procure um PS.

 

PRIMEIROS SOCORROS PARA CONVULSÃO

A convulsão é constatada quando a criança contrai ritmicamente o corpo, principalmente braços e pernas, vira os olhos, saliva excessivamente, perde a consciência e muito comumente faz xixi durante ou após o episódio. A criança acorda confusa e desorientada.

Como socorrer uma criança que está convulsionando:

Em primeiro lugar, tente manter a calma.

  1. Chame o socorro: SAMU- 192 OU BOMBEIROS- 193;
  2. Coloque a criança em um local seguro. Afaste objetos que possam cair perto ou machucar a criança enquanto a convulsão durar;
  3. Cuidado especial com a cabeça. Proteja-a da possibilidade de traumas;
  4. Se possível, arrume um travesseiro  ou uma almofada e coloque a cabeça de lado, para que a criança não engasgue com secreções ou saliva;
  5. Certifique-se de que a criança está respirando bem. Para facilitar a respiração, limpe cuidadosamente a boca com um pano limpo. Evite pessoas aglomeradas ao redor. A criança precisa de ar;
  6. NÃO coloque a mão dentro da boca da criança. Pode atrapalhar a respiração e você pode se machucar com os movimentos da boca durante a convulsão;
  7. Solte as roupas apertadas. Deixe a criança o mais livre e solta que conseguir;
  8. NÃO tente impedir os movimentos involuntários característicos da convulsão. Você só vai atrapalhar se fizer isso;
  9. NÃO dê água ou quaisquer alimentos para as crianças durante ou imediatamente após a crise convulsiva. O risco de engasgar é enorme;
  10. Após a crise as crianças ficam muito sonolentas. Isso é normal. Não há problema nenhum em deixar que elas durmam. Não há a menor necessidade de mantê-las acordadas.

 

IMPORTANTE:

Manter a calma é fundamental em todas as circunstâncias adversas da vida, principalmente em casos de primeiros socorros para crianças.

Mesmo que seja seu filho, procure se controlar ao máximo para ajudar da melhor maneira possível. Não é fácil e as emoções embotam o raciocínio prático e objetivo. Entenda que se você se mostrar apavorado, seu filho se sentirá mais inseguro. Por isso, é importante saber previamente o quê fazer em cada circunstância específica. Isso ajuda muito a agir da forma correta no momento de aflição.

Se o acidente for importante é recomendável chamar o socorro. Peça para alguém fazê-lo enquanto você socorre.

Coloque na sua geladeira ou em algum lugar bem visível os telefones do SAMU 192 e do BOMBEIROS 193 e esteja preparado.

Publicado por Hedgehog Digital