/

Devo tomar vermífugos sem fazer exame de fezes?

Eis a questão ! Tomar remédio contra vermes, os vermífugos, pelo menos uma vez ao ano, foi por muito tempo um costume frequente das pessoas. Isso mudou? Sim. Mudou bastante! Entenda: até há um tempo atrás, o acesso da maior parte da população aos exames de fezes de rotina era muito difícil. As condições de saneamento eram mais precárias e, principalmente, não havia meios de divulgação suficientes para esclarecer a população sobre as necessidades básicas de saúde, como, por exemplo, a importância de se lavar as mãos e os alimentos para evitar a transmissão de uma série de doenças.

Informação

Hoje temos televisão, internet e muito mais conhecimento. A urbanização trouxe melhores condições de saneamento. As pessoas procuram serviços de saúde com maior frequência. Resultado: várias doenças infecto-contagiosas diminuíram, inclusive as parasitoses intestinais. Mas não desapareceram. Estamos muito longe disto. Então, o que fazer? Devemos suspeitar de verminose quando apresentamos sintomas como: dores de barriga em cólica que vem e que vão, enjoo quase todos os dias, fezes moles alternadas com fezes duras, aumento da produção de gases, cansaço e às vezes aumento de volume da barriga.

Orientação médica

Nestes caso devemos procurar um médico, que provavelmente vai solicitar o exame de fezes. Hoje há muitos vermífugos disponíveis. Para cada tipo diferente de verme pode ter um que “pega” mais. Só o médico é quem pode orientar. E estes vermífugos não são isentos de efeitos colaterais, como todos os medicamentos em geral. Por isso nunca devemos nos auto medicar.

Prevenção

Então, ficamos assim: se houver sintomas de verminose, vá ao médico, faça o exame, veja o resultado e siga a prescrição correta. Mas lembre-se: o mais importante é a prevenção. Como? Lave direitinho os alimentos, principalmente frutas, verduras e legumes e, principalmente, lave as mãos antes das refeições.

Publicado por Dra. Ana Escobar
Dra. Ana Escobar (CRM 48084 | RQE 88268) é médica pediatra formada pela FMUSP (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo), pela qual também obteve Doutorado e Livre Docência no Departamento de Pediatria.