/

Botinha ortopédica funciona?

Os pés dos bebês parecem duas “batatinhas” redondas, não é mesmo? Como os pequenos ainda não os apoiam no chão para sustentar o próprio peso, os pés ficam com a aparência arredondada.

Com 1 ano de vida é que os primeiros passos acontecem. A partir deste momento, os pequenos passam a utilizar os pés para sustentar seu próprio peso. Aprendem a andar com cautela. Os pezinhos e as pernas, ainda não acostumados nem treinados, apoiam-se no chão da melhor forma que conseguem para manter um equilíbrio pouco firme ainda.

Por isso, entre 1 e 2 anos de vida, é normal que o andar dos pequenos aconteça com os pés mais virados para fora ou para dentro. Não é reto nem certeiro. Tudo isso é normal. Entre 2 e 3 anos é que o arco dos pés começa a se formar e progressivamente o andar vai ficando mais firme e mais centrado.

Nesta fase, porém, é comum encontrar pais preocupados com uma possibilidade de desvio ou de alteração na forma de andar dos filhos. Muitos se perguntam onde andam aquelas antigas botinhas ortopédicas que tantas crianças usavam há não muito tempo atrás.

Hoje em dia praticamente não encontramos mais crianças com as “duras” botinhas ortopédicas. Estudos foram feitos e constataram que as botinhas tem indicações muito específicas em apenas algumas situações definidas pelo ortopedista. Cada criança é uma criança, cada pé é um pé e não se pode fazer uma recomendação geral.

É, no entanto, importante saber que as botinhas ortopédicas não resolvem o pé chato, por exemplo. Ao contrário, podem até piorar a situação. O que ajuda a formar o arco do pé é andar descalço em superfícies como areia, terra ou grama ou brincar de andar na ponta dos pés. As botinhas não “moldam” os pés de acordo com uma forma pré-determinada.

Os calçados mais indicados para crianças são aqueles que tem sola de borracha, para melhorar a aderência e evitar quedas, mais endurecida e sem apertar os pés, que devem estar confortavelmente “presos” dentro do calçado. Cuidado com sandálias de dedo ou calçados muito moles e flexíveis.

Ensinar nossos filhos a andar não é uma tarefa que se esgota. Afinal, eles tem um longo caminho a percorrer na vida!

Publicado por Dra. Ana Escobar
Dra. Ana Escobar é médica pediatra formada pela FMUSP (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo), pela qual também obteve Doutorado e Livre Docência no Departamento de Pediatria.