/

Uma preocupação: meu marido está tão distante, parece não se importar muito comigo ou com a gestação. Será que ele vai ser um bom pai?

Em primeiro lugar, não se preocupe!

Para muitos futuros papais, a ficha cai depois! Eles não sentem as mudanças no próprio corpo e nem o bebê mexendo dentro deles. Além disso, muitos têm dificuldades em compreender preocupações como: “de que cor eu pinto essa parede? Qual berço eu compro?”

Lembrem-se de que vocês não estão em lados opostos. Ao contrário, vocês são uma equipe em que cada um tem suas funções específicas.

Uma dica: converse e conte para ele seus medos e receios, sem pressupor que ele já deveria ter “percebido” tudo. Na maior parte das vezes eles precisam ser “cutucados” pois não percebem nada.  Fale claramente e com todas as letras, sem o tom de cobrança, pois os homens tem um raciocínio bem lógico, diferentemente das mulheres que são mais intuitivas.

Procure um curso sobre parto ou sobre como cuidar do bebê para vocês dois fazerem juntos.  Ouvir outra pessoa contando tudo o que vai acontecer com você e explicando como você está se sentindo, costuma fazer eles olharem a situação de um novo ângulo. Passam a entender como o apoio e a presença deles é fundamental. Participar das consultas e de grupos de casais grávidos os ajuda a encontrar seu lugar.

De fato, companheiros que pareciam distantes, quando adquirem  informações sobre o que está se passando e descobrem como ajudar, surpreendem as  mulheres com palavras de amparo, contribuições lógicas para apoiar a amamentação e outras tarefas cotidianas como  trocar as  fraldas ou dar  banho no bebê.

Frequentemente, o que os deixa paralisados é não saber como contribuir ou achar que eles não têm uma função importante. Invista em envolvê-lo no processo. Peça sua opinião. Mantenha-o informado e atuante nas decisões que você tomar. Faça isso e há grandes chances de você se surpreender com um companheirão ao seu lado!

Publicado por Dra Adriana Grandesso Pompeo de Camargo.
Doutora Adriana Grandesso Pompeo de Camargo (CRM 115.771-SP) é médica graduada pela Unicamp. Obteve Residência Médica em Ginecologia e Obstetrícia, em 2007, pela Unicamp.