/

Meu bebê não está crescendo muito bem. Isso é sério?

Até pode ser, mas alguns bebês são naturalmente pequenos e alguns crescem mais no final da gestação. Antes de mais nada, cheque se a idade do bebê está correta, ou se ele é mais novo do que se esperava – e essa dúvida é respondida pelos exames de ultrassom realizados até a 14a semana, época em que a ultrassonografia é um método muito bom para detectar a idade fetal. Ultrassons realizados depois disso, não são tão bons para definir a idade do feto, já que alguns são naturalmente maiores ou menores, dependendo, claro, de sua carga genética.

Frequentemente, bebês “mais novos” são chamados de “pequenos”. Mesmo entre os que são REALMENTE PEQUENOS, a maioria nasce saudável e se transformam em crianças saudáveis. Algum bebês, entretanto, estão realmente sofrendo uma Restrição de Crescimento Intrauterino (RCIU), o que significa que eles são menores e mais leves do que a maioria dos bebês naquela idade gestacional. A RCIU pode acontecer porque a placenta não está nutrindo bem o bebê, ou talvez porque o bebê tenha algum problema que esteja impedindo seu crescimento, o que é mais raro.

Outras causas que dificultam o crescimento do bebê podem estar relacionadas à rotina de vida das mães: por exemplo, mães que comem muito pouco ou que fumam, ou que têm um ritmo de vida excessivamente estressante também têm mais chance de ter um bebê pequeno.

JAMAIS falte às suas consultas de pré-natal. O menor crescimento do bebê pode ser suspeitado se o útero não estiver crescendo conforme o esperado e confirmado (ou não) por um exame de ultrassom. A medida da altura uterina e da pressão arterial são também fundamentais durante toda a gestação.

Alimente-se adequadamente, coma pouco sal, beba muita água. Não fume nem beba durante a gravidez. Baixe os níveis de estresse na sua vida e conecte-se com o seu bebê desde já!

Publicado por Dra Adriana Grandesso Pompeo de Camargo.
Doutora Adriana Grandesso Pompeo de Camargo (CRM 115.771-SP) é médica graduada pela Unicamp. Obteve Residência Médica em Ginecologia e Obstetrícia, em 2007, pela Unicamp.