09/04/2019 10:00h

Quais os sintomas da fibrose pulmonar idiopática (FPI)?

Como saber se minha tosse seca e prolongada é a FPI?

A FPI, ou Fibrose Pulmonar Idiopática é uma doença rara que, no entanto, merece muita atenção de todos, uma vez que estudos indicam que pode ser fatal em 2 a 3 anos desde o diagnóstico, se o tratamento não for instituído a tempo. Por isso, saber quais são os sinais e sintomas de alerta é essencial para não perder tempo.

A FPI acomete adultos, principalmente acima de 50 anos de idade. Por uma causa ainda não definida, os dois pulmões ficam progressivamente fibrosos, isto é, “endurecidos”, o que prejudica muito a troca de ar e a oxigenação do organismo.

A tosse seca e prolongada é um sinal de alerta. Além disso, há outros sintomas como cansaço aos esforços, fadiga, falta de ar com atividades físicas rotineiras como varrer o chão ou subir escadas e o “alargamento” dos dedos das mãos, principalmente na região das unhas.

Importante saber que muitas vezes as pessoas demoram para procurar um médico e diagnosticar a FPI, uma vez que estes sinais e sintomas podem aparecer, nesta faixa de idade, relacionados a outras doenças cardíacas ou pulmonares.

Essa demora na realização do diagnóstico prejudica o prognóstico da doença, pois pode comprometer a qualidade de vida dos pacientes acometidos e encurtar a sua sobrevida.

Como diagnosticar a FPI?

Quando há suspeita clínica de FPI, o exame indicado é a tomografia computadorizada de tórax. Eventualmente o médico pode também solicitar uma biópsia do pulmão.

Uma vez firmado o diagnóstico, o médico deve indicar a melhor forma de tratamento para que se possa ter a maior sobrevida com a melhor qualidade possível.

Encarar um diagnóstico, mesmo que desfavorável, é melhor para assegurar sua qualidade de vida pelo maior tempo possível.

Dra Ana Escobar

Dra Ana Escobar

Dra. Ana Escobar é médica pediatra formada pela FMUSP (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo), pela qual também obteve Doutorado e Livre Docência no Departamento de Pediatria. Atualmente, é coordenadora da Disciplina de Pediatria Preventiva e Social desse mesmo departamento. Ainda na área educacional, é responsável pelas disciplinas de graduação e pós graduação sensu lato e sensu stricto da Faculdade de Medicina da USP.
Dra Ana Escobar