Só preciso tomar remédio para pressão alta se me sentir mal?
07/01/2017 07:00h

Pressão alta: eu só preciso tomar remédio para pressão alta se eu estiver me sentindo mal?

Todas as pessoas (grávidas e não-grávidas) depois de correr, tomar café ou subir um lance de escadas podem ter um pico de pressão alta. Isso é normal. Não quer dizer que você é hipertenso. Para se dizer que alguém tem pressão alta, é preciso realizar a medida após 5 minutos de repouso. E repeti-la em alguns minutos.

A pressão alta na gravidez, conhecida como pré-eclâmpsia, quando acompanhada de edema ( inchaço) de mãos e face, é uma alteração que precisa ser prontamente tratada! Isso mesmo. Diferentemente da pressão alta em não-grávidas, a pressão alta nas grávidas pode levar a complicações para mãe e para o bebê se não for cuidada rapidamente.

O que engana muita gente é que, como ela é assintomática (a pessoa não sente nada) não faz o tratamento! Atenção: quando pressão alta dá sintomas (dor de cabeça, peso na nuca, visão de pontos pretos, dor na boca do estômago) pode ser tarde demais! Por isso, muita atenção e meça sempre sua pressão nas consultas médicas.

Quando o problema é prontamente tratado, tudo dá certo!

O que fazer: se você está com pressão alta, deve imediatamente fazer uma dieta com pouquíssimo sal (hipossódica) e relaxar (diminuir a carga de trabalho, descansar no meio do dia, ou entrar de licença por uns 10 dias antes se as soluções intermediárias não forem possíveis). Entenda: não se brinca com pressão alta na gravidez!

Outro ponto fundamental é fazer os exames de sangue e urina que vão mostrar se o caso é grave ou não. E uma ultrassonografia com Doppler para saber se ela está atrapalhando a vitalidade do bebê.
Dependendo do nível pressórico, além das medidas anteriores, deve-se usar medicamentos para controlar a pressão. Mas só seu médico é que pode indicar. Ele deve também avaliar a gravidade do caso e definir se há necessidade de manter o repouso em casa, se há necessidade de internação, e indicar o melhor momento para o parto. Em casos leves, com consultas e exames frequentes, o parto pode ser na data provável. Em casos nem tão leves assim, pode haver necessidade de antecipação. Uma coisa é certa: uma paciente com pré-eclâmpsia deve ser avaliada por médico ou enfermeira a cada 15 dias, no mínimo. Nesses casos é preciso manter a segurança. Pré-eclâmpsia não-tratada pode virar eclâmpsia, uma complicação muito grave e por vezes até fatal para a mãe e bebê.

Pressão alta na gravidez é coisa muito séria. CUIDE-SE!