Posso esconder legumes e verduras dentro da comida do meu filho? - Dra Ana Escobar
10/03/2018 17:22h

Posso esconder legumes e verduras dentro da comida do meu filho?

Crianças de 2 anos costumam escolher o que querem e o que não querem comer. Ficam, como se diz, “seletivas”.  Isso significa que alguns alimentos são frequentemente rejeitados pelos pequenos. Dentre eles, estão as verduras e os legumes.

Resultado: como pais aflitos sabem que os vegetais são nutrientes importantes, optam por “escondê-los” no meio da alimentação.

No entanto, esta estratégia não é a mais eficaz porque não estimula o hábito de consumi-los uma vez que não ensina e não faz a criança ter consciência de que está comendo aquele alimento.

Crianças nesta fase devem consumir 2 porções por dia de legumes e verduras. Uma porção equivale a duas colheres de sopa de alface ou dois raminhos de brócolis.

Pode parecer pouco; mas  às vezes parece impossível alcançar esta meta. Muitos pais reclamam que as crianças não comem nada que é “verde”.

A melhor técnica é baseada na ideia central de envolver a criança na escolha e preparação do alimento. Especialistas no assunto perceberam que desenvolver brincadeiras e estimular a curiosidade é o melhor caminho.

Por exemplo, ir ao supermercado com seu filho, parar na banca de legumes e verduras e propor uma comparação entre o brócolis e a couve-flor. Quais as diferenças e quais os pontos em comum? A partir daí a criança escolhe o que levar. Em casa, estimule seu filho a  ajudar na preparação. Lavando ou picando com as mãos. Tudo de forma sem expor a criança a acidentes domésticos, claro. Mesmo com este jeito mais participativo a criança pode se recusar a comer. Isto é normal. A dica é não insistir e sim, persistir. No dia seguinte poderá ser diferente.

Outra dica importante. Ninguém morre de fome com comida à disposição. Não substitua alimentos porque a criança não quer aquele alimento. NUNCA troque uma refeição por leite. Jamais faça arroz porque ele não quis macarrão. Ou bife porque ele não aceitou o ovo. Se não quiser, não insista. Quando a fome voltar, ofereça o mesmo prato. Educar requer calma e paciência.