Mastite e empedramento das mamas: é a mesma coisa?
04/12/2018 17:20h

Mastite e empedramento das mamas: é a mesma coisa?

O bebê acabou de mamar. Continua sobrando leite no peito?

Trate logo de massagear as mamas para retirar o que restou. Esse cuidado é importante. Principalmente nos primeiros dias de amamentação, quando a mãe pode produzir mais leite do que a criança precisa. Nesse caso, se a ordenha manual não for realizada, o líquido parado nas mamas pode “endurecer”. Daí, a mastite é a consequência mais provável. Caracteriza-se por uma inflamação, seguida de infecção, que atinge as glândulas mamárias.

São mais suscetíveis à mastite as mães que não repousam apropriadamente, além daquelas que não se alimentam e/ou não tomam líquidos suficientemente.

Muita gente confunde a mastite com o ingurgitamento mamário. O ingurgitamento é um processo natural caracterizado pelo endurecimento das mamas. É o famoso empedramento. A mama empedrada esta cheia de leite solidificado. Esse leite precisa ser retirado. Pode-se massagear a mama, para liquidificar a “pedra”, depois retirar o leite colocando o bebê para mamar, fazendo ordenha manual, ou usando a bomba elétrica. Caso contrário, alguma bactéria pode infectá-lo e causar mastite.

A mastite, portanto, ocorre quando as placas de leite não são desfeitas e muito menos ordenhadas. Dessa maneira, as áreas afetadas pelo problema ficam vermelhas e doloridas. A mulher sente dores musculares semelhantes às provocadas por gripe, febre e náuseas. Nesse caso, a única saída é tomar medicamentos sob a orientação do médico.

Importante saber que a mastite NÃO impede o aleitamento materno. Pelo contrário, amamentar faz parte do tratamento, assim como as massagens são indicadas para facilitar a saída do leite empedrado.