24/02/2019 18:44h

E se a bolsa romper antes do tempo?

Quando a bolsa rompe, acontece uma perda involuntária de líquido, em grande quantidade, que chega até a escorrer pelas pernas e fazer uma poça no chão ou na cama. Esta água que sai é o líquido amniótico, que envolve o bebê.

No entanto, se você percebeu uma perda bem menor, que ficou restrita à calcinha, sem escorrer, apenas uma vez, é pouco provável tratar-se da bolsa. Deve ser apenas saída de secreção vaginal.

Outra dica para saber se foi a bolsa que rompeu é que o liquido amniótico tem cheiro parecido como cheiro de amônia.

E se a bolsa romper e eu ainda não estiver em trabalho de parto?

Nesse caso você deve avisar o seu médico ou ir ao Pronto Atendimento da Maternidade para ser examinada. Se a gestação ainda não tiver 37 semanas, você deve ir imediatamente. Se já tiver 37 semanas, ou seja, se o bebê já está na época certa de nascer e tudo estiver bem, não precisa correr. Porém, fique atenta e observe os seguintes sinais:

– o líquido está claro, branco ou transparente?
– o bebê esta se mexendo depois que a bolsa rompeu?

Se a resposta dessas 2 perguntas foi sim, não há grande pressa. São sinais de que o bebê está bem e de que você tem tempo – entre 4 e 24 horas, dependendo da orientação do seu médico- para esperar entrar em trabalho de parto. Importante saber que 80% das mulheres entram em trabalho de parto em até 24horas depois que a bolsa rompeu.

Fique atenta e calma. Não entre em pânico nem se desespere se a bolsa romper. Saiba o que fazer e siga em frente.

Dra Ana Escobar

Dra Ana Escobar

Dra. Ana Escobar é médica pediatra formada pela FMUSP (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo), pela qual também obteve Doutorado e Livre Docência no Departamento de Pediatria. Atualmente, é coordenadora da Disciplina de Pediatria Preventiva e Social desse mesmo departamento. Ainda na área educacional, é responsável pelas disciplinas de graduação e pós graduação sensu lato e sensu stricto da Faculdade de Medicina da USP.
Dra Ana Escobar

Últimos posts por Dra Ana Escobar (exibir todos)