08/07/2019 15:04h

Meu filho não come legumes e verduras

Crianças devem consumir 2 porções por dia de legumes e verduras. Uma porção equivale a duas colheres de sopa de alface ou dois raminhos de brócolis.

Pode parecer pouco, no entanto, às vezes parece impossível alcançar esta meta. Muitos pais reclamam que as crianças não comem nada que é “verde”. Desesperados escondem legumes e verduras em outros alimentos. Mas esta estratégia não é a mais eficaz porque não estimula o hábito de consumi-los uma vez que não ensina e não faz a criança ter consciência de que está comendo aquele alimento.

A melhor técnica é baseada na ideia central de envolver a criança na produção do alimento. Especialistas no assunto perceberam que desenvolver jogos lúdicos e estimular a curiosidade é o melhor caminho.

Por exemplo, ir ao supermercado e propor uma comparação entre o brócolis e a couve-flor. Quais as diferenças e quais os pontos em comum? A partir daí a criança escolhe o que levar. Em casa, decide o preparo e ajuda na preparação. Tudo de forma sem expor a criança a acidentes domésticos, claro. Mesmo com este jeito mais participativo a criança pode se recusar a comer. Isto é normal. A dica é não insistir e sim, persistir. No dia seguinte poderá ser diferente.

Outra dica importante. Ninguém morre de fome com comida à disposição. Não substitua alimentos porque a criança não quer aquele alimento. NUNCA troque uma refeição por leite. Jamais faça arroz porque ele não quis macarrão. Ou bife porque ele não aceitou o ovo. Se não quiser, não insista. Quando a fome voltar, ofereça o mesmo prato. Educar requer calma e paciência.

Dra Ana Escobar

Dra Ana Escobar

Dra. Ana Escobar é médica pediatra formada pela FMUSP (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo), pela qual também obteve Doutorado e Livre Docência no Departamento de Pediatria. Atualmente, é coordenadora da Disciplina de Pediatria Preventiva e Social desse mesmo departamento. Ainda na área educacional, é responsável pelas disciplinas de graduação e pós graduação sensu lato e sensu stricto da Faculdade de Medicina da USP.
Dra Ana Escobar